Nocturnal Blood "Devastated Graves - The Morbid Celebration"

Publicado em: 09/07/2014 - 22:33

Mas que puta banda norte-americana de war black metal! Vomitada dos abismos do Nono Inferno diretamente sobre a tórrida Califórnia, o Nocturnal Blood é a encarnação dos pecados ominosos de Ghastly Apparition – sujeito simpático cuja existência parece ter sido consagrada à importante missão de anunciar-nos o advento do Reino do Cramulhão na Terra.
O som do Nocturnal Blood é tudo o que um fã do estilo pode desejar: pesado, grave, mórbido, rápido e dotado de rifferama curta e epilética. Embora as composições e a sonoridade sejam indiscutivelmente war black, nota-se também uma forte inclinação para aquele death metal maniacamente satânico executado por bandas sombrias do underground americano como o Irreverent, o Imprecation e o Demoncy do cultuado Joined in Darkness. Claro, Blasphemy e Black Witchery também dão as caras por aqui. Tradicional, decerto, mas o Nocturnal Blood não se resume à mera chupação dos clássicos.
Ótimos riffs, vocais graves e cavernosos, gravação densa e mergulhada em delay e reverb, solos caóticos (e muito climáticos), peso opressivo. Coisa realmente fina. Evidentemente, amantes de death metal farofa e outras chatices técnico-brega-punheteiras acharão tudo mal gravado e pessimamente produzido. Ora, e é claro que é! Para alguns celerados ainda temos de enunciar o óbvio: produção limpa e “redondinha” simplesmente não cabe nos estilos de vanguarda do metal extremo.
Todas as faixas do play constituem dignas homenagens a nosso amigo Satã. Mas arrisco dizer que o Chifrudo sentiu-se especialmente satisfeito com a verminótica Death Calls - PQP!, ouça e me diga se o matador riff death metal que surge passados pouco mais de trinta segundos não é de chorar de felicidade – e com Devastated Graves - porradaria death/black construída a base de riffs absurdamente soturnos. Vale mencionar ainda Chaos Mass, em que os vocais guturais dão lugar a sussurros na veia do Beherit do The Oath of Black Blood, e Ritual Lust, única faixa arrastada do disco e que, apesar de o war black sabidamente se caracterizar pela velocidade, funciona muito bem.
Meu único senão diz com as partes de bateria. Como é corriqueiro nas one-man band, é justamente na percussão que o negócio cai de nível. De fato, percebe-se a limitação de Ghastly Apparition na condução das baquetas. Certa falta de sincronia nas batidas e uma nítida dificuldade em atingir velocidades maiores atrapalham, por vezes, o desenvolvimento das músicas. Não é nada que realmente destrua o play. Contudo, se a tarefa fosse delegada a um baterista de ofício, tenho certeza de que a música do Nocturnal Blood – que já é foda – ganharia sensivelmente em qualidade.
Lançado pela incansável gravadora americana Hells Headbangers em 2010, Devastated Graves - The Morbid Celebration é o primeiro full lenght (ainda que tenha menos de trinta minutos) do Nocturnal Blood. Dois eps, duas demos e um split completam, até agora, o restante de sua discografia. Torço para que esse silêncio, que já dura quatro anos, não signifique tenha a banda encerrado as atividades, pois o que temos aqui é um war black metal tradicional, mas dotado de elementos de originalidade, feito com extrema competência.


Ghastly Apparition invocando seus demônios

13/07/2014 - 02:54
Fábio Lignelli

Muito foda esse álbum!!!

Deixe seu comentário