Sacrocurse "Unholier Master"

Publicado em: 10/08/2016 - 01:13 Inicialmente formado como um power trio que contava com dois membros do Godslaying Hellblast, da Turquia, o Sacrocurse hoje está reduzido a um duo de mexicanos: Zolrak (aka KX), único integrante original remanescente, nas guitarras e agora também nos vocais, e LZ na bateria.
Em relação à demo Sulphur Blessing, lançada em 2013 e depois reeditada, no mesmo ano, num split cd com o Trajeto de Cabra (sim, o nome da banda é esse mesmo), o som do Sacrocurse, nesse full lenght de estreia, cresceu a olhos vistos.
Trata-se de um blackened death metal intenso, com rifferama direta, bem composta e executada, bateria marcial fanaticamente calcada em metrancas, poucos solos e vocais encapetados, mas não dramaticamente exagerados. A produção é muito profissional e conferiu uma sonoridade, até certo ponto, clara à música. De fato, não se ouvem ruídos de fundo nem foi o som sujeito a megacompressão – recurso a que apelam muitas bandas atuais de old school death metal. Embora a proposta dos caras não esteja excessivamente na cola de nenhum grupo clássico, é possível sacar uns lances de Angel Corpse e Profanatica no som. Ou seja, o bagulho aqui é pesado mas não chafurda em timbragens graves. É aquele death mais agressivo, esporrento e rachado que o Morbid Angel patenteou no começo da carreira. Death que poucas bandas hoje são capazes de dar continuidade com competência (de memória, lembro-me apenas do excelente Prosanctus Inferi, também dos EUA). Mas que fique claro: refiro-me aqui especificamente à timbragem, porque o Sacrocurse é muito mais reto e menos complexo do que a banda de Trey Azagthoth.
O play, composto de dez faixas, tem pouco mais de trinta e cinco minutos. É porrada em cima de porrada. Ainda que o estilo da banda seja unidimensional, tem a grande virtude de não cansar o ouvinte. Command Demonic Prayers (cuja intensidade chega a flertar com o war black metal), Unholier Master e Ripping Death Solution (com seus riffs reminiscentes a Deicide) são os pontos altos do disco. Todas as músicas, porém, são de ótimo nível e seguem, como já se disse, a mesma toada.
Unholier Master acaba de ser lançado (Nota: esta resenha já é antiga...), em cd e vinil, pela cult gravadora Hells Headbangers, dos Estados Unidos, um dos selos mais importantes na atual cena death/black mundial. Como sói acontecer com os lançamentos da HHR, a versão em vinil é bem caprichada: gatefold jacket vinil com a bolachona na cor vermelha. Há também uma versão europeia da alemã Iron Bonehead, que conta com arte e capa diferentes.



Nossos amigos do Sacrocurse


Capa da edição europeia, lançada pela Iron Bonehead

Deixe seu comentário